OPEP+ vai aumentar gradualmente a produção nos próximos 3 meses

A Organização dos Países Exportadores de Petróleo e os seus aliados (OPEP+) decidiu, no dia 1 de abril, aumentar a oferta de crude, de forma gradual, ao longo dos próximos 3 meses. A expectativa seria a de que a OPEP+ manteria o atual nível de redução da oferta em maio, mas os membros do cartel e os seus parceiros foram mais longe no tempo e decidiram também ir aumentando a produção. Apesar de os mercados esperarem que a atual redução na produção de crude, estava também em estudo o seu potencial aumento gradual, que agora se confirma. Com as cotações a subirem no início deste ano, a OPEP+ contava poder começar a reduzir de forma mais visível o seu esforço de retirada de crude do mercado, mas, com os novos confinamentos na Europa, a dimensão dos aumentos de produção não será significativa por agora. Esta proposta inclui a redução do esforço extra de retirar um milhão de barris por dia do mercado, medida que apenas deverá vigorar até ao final de julho. O atual plano passa por aumentar a produção da OPEP+ em 350 mil barris, em maio, e de novo, em junho, passando o aumento diário, em julho, para 440 mil barris, depois de, no início de 2021, a oferta diária ter aumentado em meio milhão de barris. Entretanto, na reunião de janeiro da OPEP+, havia sido decidido, nomeadamente, um ligeiro aumento da produção petrolífera nos meses de fevereiro e março, com a entrada adicional de 75 mil barris diários de crude no mercado: 10 mil fornecidos pelo Cazaquistão e 65 mil fornecidos pela Rússia; em março, a quota destes dois países aumentaria novamente, na mesma proporção. No passado dia 1 de abril, a OPEP+ reviu em baixa as previsões de crescimento da procura em 300 mil barris por dia, apontando agora as estimativas para um aumento da procura na ordem dos 5,6 milhões de barris diários. Apesar do aumento da oferta a partir de maio, os preços do petróleo mantêm a tendência de subida nos principais mercados.

Partilhar o artigo "OPEP+ vai aumentar gradualmente a produção nos próximos 3 meses"

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn