TROCAS COMERCIAIS PORTUGAL – ANGOLA: 1º Trimestre 2018

               (mil €uros)
GRUPOS DE PRODUTOS   IMPORTAÇÃO   EXPORTAÇÃO
Agrícolas 2 146,13 64 301,20
Alimentares 657,66 37 482,28
Combustíveis Minerais 118 389,81 2 946,47
Químicos 0,40 37 586,44
Plásticos, Borracha 70,88 26 808,00
Peles, Couros 0,96 843,48
Madeira, Cortiça 187,32 3 176,63
Pastas Celulósicas, Papel 2,11 12 398,93
Matérias Têxteis 404,28 4 286,29
Vestuário 5,54 3 657,53
Calçado 10,43 3 747,82
Minerais, Minérios 188,46 11 557,14
Metais Comuns 136,93 24 532,09
Máquinas, Aparelhos 2 221,91 82 223,69
Veículos, Outros Meios de Transporte 302,82 7 787,87
Óptica e Precisão 114,17 7 628,35
Outros Produtos 33,18 17 724,35
TOTAL   124 872,97   348 688,58

 

No 1º trimestre de 2018, as exportações portuguesas de mercadorias para Angola registaram um valor aproximado de € 348,7 milhões, o que corresponde a uma quebra de cerca de 22,4% relativamente a igual período de 2017, quando este indicador atingiu € 449,1 milhões. O peso das exportações para Angola no total das exportações portuguesas extracomunitárias caiu, assim, de 12,7%, em 2017, para 10,6%, em 2018.

A estrutura dos principais grupos de mercadorias exportados para o mercado angolano mantém-se inalterada: no topo, as máquinas e aparelhos (€ 82,2 milhões), seguidas dos produtos agrícolas (€ 64,3 milhões) e dos produtos químicos (€ 37,586 milhões), embora estes últimos registem, face aos produtos agrícolas, apenas mais € 104 mil (€ 37,483 milhões). Os 3 principais grupos de produtos de mercadorias importados por Angola com origem em Portugal representam 52,8% do total das exportações portuguesas para o mercado angolano.

Já as importações portuguesas de bens com origem em Angola sofreram um aumento de quase 100% (99,93%) entre janeiro e março de 2018 em comparação com o período homólogo do ano anterior: passaram de € 62,5 milhões, em 2017, para € 124,9 milhões, em 2018. A representatividade das importações oriundas de Angola no total das importações portuguesas extracomunitárias passou de 1,6%, em 2017, para 3%, em 2018.

Não obstante a maior parte das exportações angolanas para Portugal continue a assentar no petróleo (94,8% do total), este tem vindo a diminuir a sua importância nas exportações angolanas destinadas a Portugal (97,2%, em 2016, e 88,9%, no 3º trimestre de 2017), em contraciclo com as máquinas e aparelhos (€ 2,222 milhões), os produtos agrícolas (€ 2,146 milhões, ou seja, apenas menos € 76 mil do que as máquinas e aparelhos) e os produtos alimentares (€ 658 mil), que têm vindo a aumentar o seu peso. Os principais grupos de produtos importados por Portugal com origem em Angola representam 98,3% do total das compras do primeiro à segunda.

No período em análise, e pese embora não haja dados quanto à posição de Portugal como fornecedor de mercadorias a Angola (foi o 2º maior fornecedor, em 2017), Angola manteve-se como segundo maior destino das exportações portuguesas extracomunitárias (a seguir aos E.U.A.) mas baixou para 9º maior destino das exportações portuguesas totais.

 

Elaborado pela CCIPA com base em dados do INE Portugal

Partilhar o artigo "TROCAS COMERCIAIS PORTUGAL – ANGOLA: 1º Trimestre 2018"

Share on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Share on LinkedIn